Horizon Chase, o jogo de iOS que vai ser lançado em breves para Android está fazendo um sucesso absurdo, pois a comparação dele com Top Gear é inevitável. E nós do A Casa do Cogumelo, tivemos a chance de entrevistar o Jesús Fabre, que é o assessor de imprensa da Aquiris Game Studio, o estúdio brasileiro desenvolvedor do game, e que também é responsável por outros jogos mobiles como The Great Prank War (Guerra de Pegadinhas), que é um jogo da animação Regular Show (Apenas um Show) produzida pela Cartoon Network. Ficou curioso? Então confira a entrevista completa logo abaixo.

Como o jogo lembra muito o Top Gear, não tem como essa não ser a primeira pergunta.

A Casa do Cogumelo: A intenção do Horizon Chase é ser um Top Gear Moderno, se sim, qual é o público alvo, o pessoal das antigas que jogou o Top Gear ou um público totalmente novo?

Jesús Fabre: Sim, o público alvo principal nesse jogo são as pessoas que jogaram Top Gear na época e os filhos dessas pessoas, além deles, todas as crianças e os mais jovens que não conhecem o jogo dos anos 90. A intenção era mostrar que no ano de 2015, podemos ter um jogo divertido e inspirado nos anos 90, não precisando ser hiper realista, mas sendo um arcade como na época e com elementos modernos como as artes inspiradoras, iluminação, os efeitos do clima e a uma jogabilidade mais imediata possível, e mais viciante.

A Casa do Cogumelo: A Aquiris já trabalhou em jogos da Cartoon Network, foi muito diferente fazer os jogos para ela e o jogo para o PS4?

Jesús Fabre: Atualmente, a gente continua trabalhando com a Cartoon Network numa parceria que esta cada ano mais consolidada. Estamos trabalhando com eles desde 2010, e basicamente a gente tem uma equipe dedicada para a Cartoon. Diferentes equipes se especializam em diferentes projetos, e basicamente a experiencia com Horizon Chase foi algo que nós nunca tivemos antes. Nós criamos um jogo do zero, completamente nosso, desde o ponto de vista criativo até o ponto de vista comercial, é um jogo bem autoral. Com a Cartoon, a gente tem liberdade criativa, sempre que a gente respeite os limites da propriedade intelectual, que é deles. No caso do Horizon Chase, a gente tem toda liberdade para criar algo nosso jeito. Essa é a maior diferença que existe, é algo natural na indústria sempre que trabalha com um universo do qual você não é dono.

A Casa do Cogumelo: Qual a grande diferença do Horizon Chase em relação ao Top Gear?

Jesús Fabre: A grande inovação do Horizon Chase, basicamente é criar um Top Gear como a gente imaginava que seria nos tempos atuais. Com uns gráficos mais modernos que o Top Gear nunca teve, e ao mesmo tempo permitir o jogador redescobrir que correndo em um jogo de corrida, você pode ter a experiencia de descoberta pelo mundo, de viajar por lugares e de se transportar por cenários e ao mesmo tempo se divertir como nos anos 90. Tem uma mistura entre o bom do arcade e o bom da estética totalmente renovada, que realmente contribui na hora de criar uma nova atmosfera, parecida e ao mesmo tempo diferente, única, comparada com a que tínhamos nos anos 90. Não estamos reinventando nada, e não era nosso interesse inventar um novo género ou tipo de jogo de corrida, e sim "Vamos jogar um Top Gear do ano 2015 com mais conteúdo, músicas fortemente influenciadas pelo clássico mas melhores (se é que isso é possível :), com os modos de jogo que a gente sempre quis jogar e com o visual que a gente gostaria de ter no ano de 2015, bem mais moderno".


A Cada do Cogumelo: A trilha sonora é uma das coisas que impactam no jogo e vocês estão trabalhando com o criador da trilha do Top Gear, como foi esse processo do desenvolvimento da trilha sonora do Horizon Chase?

Jesús Fabre: Foi muito natural, porque o Barry Leitch (criador da trilha do Top Gear) é um cara que trabalhou em muitos jogos, cerca de 240, e está há 25 anos trabalhando nisso. Ele estava fazendo músicas para brinquedos da Fisher-Price e fazia muito tempo que ele não trabalhava com um jogo. Nosso diretor de arte técnica, o Amilton Diesel, contatou ele pelo Facebook e falou que queríamos fazer um Top Gear moderno e se ele gostaria de trabalhar conosco fazendo a música, e ele (Barry Leitch) ficou bem empolgado, até mais do que a gente. Basicamente, desde o momento que ele aceitou colaborar com a gente, ele está trabalhando bastante para fazer a melhor música, e é uma coisa que até parece fácil para ele, pois ele é apaixonado por fazer músicas para jogos.


(Foto: Jow Bertagnoli/Cogumelo Verde)
A Casa do Cogumelo: O jogo vai ser lançado para PS4, mas ele já existe em iOS. Vocês planejam lançar o Horizon para outras plataformas?

Jesús Fabre: A ideia é lançar o jogo para todas as plataformas possíveis, mas por enquanto a gente só pode falar que é certo que ele seja lançado para Android, Windows Phone, Amazon, PC e para o PlayStation 4, mas nós estamos cogitando todas as plataformas.


A Casa do Cogumelo: Na internet o jogo ficou popular muito rapidamente por gerar uma nostalgia no pessoal, devido a esse enorme sucesso dele vocês já planejam uma sequencia?

Jesús Fabre: Por enquanto Horizon Chase tem dado muito certo para gente e isso sempre é algo que favorece que existam sequencias, mas nao temos nada decidido sobre isso. No iOS, o jogo teve um sucesso que a gente não esperava. Nós esperávamos que vendesse bem, mas não imaginavamos que uma quantia tão exagerada de pessoas que não costumam jogar em mobile, iriam jogar o jogo porque acharam que esse foi o melhor jogo de corrida mobile do ano. Para nós, isso é uma recompensa incrível, todo o esforço que colocamos durante esses seis, sete meses de desenvolvimento... É incrível ver agora como jogadores novos e jogadores old-school estão desfrutando tanto do game, e ler as boas críticas da imprensa.

A Casa do Cogumelo: O jogo vai ter novidades exclusivas para o PS4?

Jesús Fabre: Terão novidades, como o modo multiplayer de até 4 jogadores com a tela dividida, que era uma coisa que o pessoal já pedia quando o jogo saiu para tablets e celulares, e também vão ter aproximadamente 20 circuitos novos.

A Casa do Cogumelo: O jogo vai ter um multiplayer online?

Jesús Fabre: Para essa versão a gente não está cogitando um multiplayer online, porque tecnicamente é bem difícil, mas quem sabe se existir uma segunda parte, nós ainda não sabemos, é uma coisa que implica muito trabalho e não é algo que adiciona facilmente.



A Casa do Cogumelo: Que mensagem você gostaria de deixar para os players que irão jogar o Horizon Chase?

Jesús Fabre: Sobre o Horizon Chase, eu gosto de olhar para ele e falar que não é só um jogo lindo de jogar, mas também é lindo de olhar e lindo de ouvir e é uma experiencia que você não pode classificar como "esse jogo tem um ponto bom e o resto mais ou menos", todas as partes do jogo estão feitas com tanto esforço que eu não consigo perceber que teve uma parte melhor que outra, então para mim o Horizon Chase é como se você olhasse para o passado e esse tempo não passasse. Se eu tivesse que descrever o Horizon seria assim: uma experiencia atemporal, um clássico moderno, porque saiu agora mas poderia ter saído em qualquer outra época, sinto que poderia ter saído há 20 anos e continuaria tendo esse espíritu tão particular.

A Casa do Cogumelo: O que mais você tem a falar sobre o Horizon Chase?

Jesús Fabre: Pistas, carros, modo de jogo novo como o multiplayer para se jogar com seus amigos e desafia-los e é basicamente por ai.

Eu joguei o Horizon e a primeira coisa que podemos perceber é como ele está lindo, não só pelos gráficos mas também pela trilha sonora, o jogo realmente te lembra do Top Gear, mas muito mais moderno e como podemos perceber acima, há chances dele chegar ao Nintendo Wii U ou quem sabe no NX. O jogo Horizon Chase chegará ao PS4 no primeiro trimestre de 2016.
Facebook
0
Google
 
Top