O Game Boy Color fez sucesso de forma extraordinária no mundo todo. Milhões de portáteis foram vendidos e os seus jogos não deixaram por menos. Grandes clássicos surgiram dele e muitas adaptações foram criadas para a plataforma. Dentre elas, não poderia faltar a saga de Solid Snake e é claro que a nossa Máquina do Tempo não deixaria de colocar uma caixa na cabeça e rever este jogo. Vamos lá!

Metal Gear ou Metal Gear Solid?


Metal Gear Solid é um dos melhores e mais famosos jogos já criados. É possível afirmar que ele dividiu águas, em relação aos jogos de espionagem e guerra. Com a certeza de uma franquia de qualidade em mãos, a divisão européia da Konami solicitou o desenvolvimento de uma versão de Metal Gear Solid para o Game Boy Color: seria a união de dois grandes sucessos.

O desenvolvedor da franquia, Hideo Kojima trabalhou nesse jogo apenas como produtor, não fazendo parte da produçao propriamente dita. E apesar dele ter vindo para ser uma versão do sucesso de 1998, o jogo não pode vir como a Konami queria. Por inúmeras razões, a versão se tornou um jogo totalmente novo, e foi lançado em 2000.

É claro que a razão principal é a capacidade do hardware. Seria impossível criar um port para o GBC. A ideia de criar dinheiro com esses dois aliados (GBC e Metal Gear), estava indo por ralo abaixo quando os programadores pensaram: Vamos fazer um jogo novo e decente. E assim a vida de Solid Snake estava assgurada no mundo dos portáteis.

A partir disso, algumas confusões se instalaram. Por exemplo: como seria o nome do jogo? Onde vamos encaixar sua história? Oficialmente ele é para ser chamado de “Metal Gear: Ghost Babel”, mas por questão de marketing, o jogo recebeu o nome de Metal Gear Solid. E mesmo que tenha recebido o nome do original, ele não segue a mesma linha do tempo e é considerado um spin-off. Apesar de todas as mudanças, o jogo tem muitas semelhanças com o original e foi muito bem trabalhado no Game Boy Color.

Uma lenda retorna


Seguindo uma linha de tempo própria, o jogo se passa sete anos após os fatos ocorridos no forte Outer Heaven. Um avião de transporte C-5 Galaxy que estava sendo utilizado pela Força Aérea dos Estados Unidos foi sequestrado. Ele continha um protótipo do Metal Gear, o tanque bípede com capacidade de armamento nuclear. O protótipo possue o codinome GANDER e estava partindo para a América do Sul.

O grupo separatista conhecido como Gindra Liberation Front pegou o avião para lutar na guerra civil que está acontecendo em Gindra, um pequeno país Sul Africano. O grupo é liderado pelo General Augustine Eguabon e planeja usar o poderoso Metal Gear para vencer a guerra de uma vez por todas.

Para tentar resolver a situação, Roy Campbell foi designado a tentar convencer o agente especial de elite Solid Snake a sair de sua aposentadoria para realizar uma última missão. Ele precisa se infiltrar em Gindra e destruir o Metal Gear, criação dos próprios Estado-Unidenses. Em um primeiro momento, Snake recusa o “convite”, pois está vivendo uma vida tranquila no Alaska e não quer se envolver com mais nada. 

Para convencer de vez Solid Snake, o general Campbell revela que a fortaleza do grupo, chamada Galuade, é na a antiga Outer Heaven, onde Snake destruiu o Metal Gear original TX-55. Com os fantasmas do passado ainda rondando, ele aceita a missão, que será comandada pelo Agente de Segurança Nacional Steve Gardner. O espião é apresentado a sua equipe: a doutora candidata ao MIT, Mei Ling, um mercenário expert, conhecido como Fuinha, o agente da CIA Brian McBride e o próprio general Campbell. Snake também deve trabalhar em conjunto com a Força Delta do Exército dos Estados Unidos, que está sendo comandada pelo General Jonh Parker e já se infiltrou na fortaleza.

Solid Snake enfrenta diversos inimigos durante a sua missão, além de passar desapercebido por outros tantos. Ele acaba se aliando com Chris Jenner, uma das sobreviventes da Força Delta. Ela revela que os inimigos são o grupo de mercenários Black Chamber, que se assemelham muito ao antigo grupo de Snake, os FOXHOUND. No fim, ele descobre que tudo era uma armação entre o Gindra Liberation Front e o Governo dos Estados Unidos.

Muita ação no portátil


O jogo mantém a base de Metal Gear Solid 2, jogo em que se inspirou bastante para ser desenvolvido. É claro que ele acrescenta alguns novos elementos, mas a visão de cima do personagem em 2D é a mesma, por exemplo. O jogador pode usar golpes para derrotar ou paralisar seus inimigos e também possui itens que adquire com o desenrolar da fase.

Diferentemente de Metal Gear Solid 2, os movimentos estão mais rápidos e condizentes com a realidade. A tela rola junto com Snake quando ele chega ao final, algo que não acontecia anteriormente e o jogador também pode se movimentar nas oito direções, permitindo que o jogador e os inimigos andem na direcional.

A ideia principal do jogo é completar as fases evitando os inimigos sem ser detectado. Por isso, Solid Snake consegue se esgueirar nas paredes e ficar escondido dos inimigos. Ele também pode se abaixar e engatinhar, tanto pela lama quanto pela grama. O jogador também consegue mover a câmera para identificar a localização do inimigo. Existe um radar que mostra a localização dos inimigos e o clássico “Codec”, que serve para Snake receber informações dos aliados.

O jogo é separado por estágios, com um total de treze. Depois de completar cada estágio, o jogador recebe uma avaliação de “Terrível” à “Excellent”. Dependendo do desempenho do jogador, ele receberá um codinome ao completar o game. Além do modo principal, também existem os modos: Stage Select, onde o jogador pode escolher uma fase para jogar após ela ter sido completada, VR Training, que são missões especiais de treino, para ensinar o jogador utilizar os comandos e Vs. Battle, o modo competitivo em que dois jogadores duelam através do Game Link Cable.

Muitas referências


  • Além dos treze estágios, o game possui 150 missões VR;
  • O personagem Solid Snake é baseado em Snake Plissken, personagem de Kurt Russell no filme Fuga de Nova York;
  • Esse é um dos filmes favoritos de Hideo Kojima;
  • O nome Ghost Babel aparece na versão japonesa do game;
  • No centésimo andar da fortaleza é possível encontrar o original TX-55, quebrado;
  • Solid Snake é chamado por ser uma lenda, mas ele odeia isso por que sabe que as “lendas” dos EUA são assassinos;
  • Esse é o primeiro jogo oficial não dirigido por Kojima;
  • O desing do Metal Gear foi baseado em uma arte que Yoji Shinkawa não utilizou no Metal Gear Rex, em 1998;
  • O game também pegou referência do seriado Starsky and Hutch;
  • O jogo recebeu várias referências em outros games da franquia;
  • Em Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots, de 2008, o incidente em Galuade é mencionado;
  • Em 2004, Snake e Chris Jenner aparecem no jogo Metal Gear Solid: The Twin Snakes. Eles estão desenhados em uma revista no laboratório Otacon;
  • O final do game sugere uma possível continuação, mas ela não foi confirmada;
Solid Snake junto com Chris Jenner


Solid Snake ficaria orgulhoso


Mesmo não sendo um jogo da franquia principal e não tendo os cuidados do criador Kojima, Ghost Babel é um jogo excelente e representa muito bem a franquia. O jogo foi muito bem avaliado pela crítica especializada, mantendo a média de 9.5, mas conquistando notas 10, como a dada pela IGN. Hoje, o game é considerado um dos melhores do Game Boy Color.

Solid Snake enfrenta uma história de conspiração e tecnologia, com um enredo simples, mas bem envolvente. A evolução no enfrentamento dos inimigos é visível e muito bem trabalhada no portátil. Além disso, ele mantém as coisas boas dos jogos clássicos de Metal Gear, algo que muitos podem sentir falta.

O jogo se assemelha muito a Metal Gear Solid e foi muito bem incorporado no portátil. A qualidade técnica do jogo é incrível para um hardware simples de 8-bits. Para quem gosta da franquia ou quem adora um bom jogo de espionagem, Ghost Babel é uma excelente escolha.
Facebook
0
Google
 
Top