Nos últimos anos, vimos o crescimento dos Esports, com games como League of Legends, Dota 2, Counter-Strike e tantos outros ganharem status de competições que rivalizam em popularidade com os esportes tradicionais. E cada vez mais, temos participantes, patrocinadores e simpatizantes em todas as categorias, com torcidas em torno de equipes ou jogadores específicos. E onde está a Nintendo nisso tudo?

A Big N nunca ficou de fora de cenários competitivos, embora sua cena seja mais tímida e de nicho. Afinal, já faz quase 20 anos que os torneios de Pokémon estão por aí, mas sem o nível profissional visto em outras categorias de Esports. Mas este ano, vimos que a Nintendo tem um forte potencial para entrar neste mercado.

Uma Surpresa muito agradável

Games Casuais, mas Competitivos


Splatoon e Smash Bros. provaram este ano que são System Sellers não apenas pela suas qualidades e propostas diferenciadas, mas pelos potenciais competitivos. Smash Bros. Melee (e agora, a versão For Wii U) é uma excelente prova disso, estando no cenário competitivo com força há quase 15 anos, não saindo da preferência dos jogadores mesmo com o novo game da franquia oferecendo diversos recursos e ferramentas para competições em larga escala.


Não me importo muito com Tier Lists,
mas que elas servem como uma boa referência...
O que ambos os games, e mesmo Pokémon, possuem como diferenciais em relação aos grandes expoentes do Esports são as camadas de profundidade que apresentam de maneira sutil, sendo tanto uma brincadeira sadia como uma competição cheia de nuances. Seguindo um termo mais conhecido, são games fáceis de aprender, mas difíceis de dominar.

Splatoon, por exemplo, guarda em seu acervo cada vez maior de armas e equipamentos uma infinidade de combinações que vão muito além do estético, bem como cenários para as estratégias únicas com a proposta de cobertura de tinta. E Smash Bros., em meio a toda sua maluquice, possui Tiers Lists, Match Ups, e uma profundidade em termos de combate que não perdem em nada com relação aos velhos de guerra dos jogos de luta.

Com um território rico para explorar, e diversas franquias para fazer um bom uso para o cenário competitivo, o que a Nintendo está esperando para entrar de vez nessa área?


Território Novo, Medos Velhos

Não é segredo que a Big N tem uma postura um tanto rígida quanto as tendências atuais. Se por um lado ela se mostra positiva em determinados aspectos - como os infames DLCs -, por outro sua falta de abertura se mostrou um prejuízo até agora difícil de superar.

E curiosamente, apesar de oferecer recursos que permitam um cenário competitivo mais acessível para todos os usuários - o que mostra um exemplo bem interessante em todo o cenário de Splatoon até agora -, ela própria ainda não se posicionou de vez quanto aos Esports.

A exemplo de comparação: embora a Capcom esteja responsável por todo o processo de organização de sua Capcom Pro Tour, a Sony ofereceu e continua oferecendo base para que sua principal competição seja realizada desde 2013. E agora, a dona do Playstation tem oferecido estrutura para que outras produtoras possam criar a base para suas competições.


Uma Oportunidade de Ouro


Chega a ser um tanto redundante falar da maneira como a Big N trabalha seus jogos, com propostas que ninguém espera - ou nem desejam inicialmente -, mas que acabam caindo no gosto do grande público.

Ver uma partida profissional de SSB4 é incrível!


É justamente essa característica única que pode trazer sangue novo para o cenário de Esports, e com uma vantagem até bem curiosa. Já sabemos que algumas equipes de MOBA contam com competidores adolescentes, mas que tanto neles como em outras categorias, a faixa etária acaba por pesar em termos de experiência e maturidade de certa forma. Tal como acontece nas ligas de Pokémon, a Nintendo poderia trazer uma grande oportunidade para formar jogadores profissionais ainda novos de uma maneira saudável.

Quanto as franquias clássicas, várias delas poderiam criar uma boa cena competitiva. Quem não gostaria de ver combates mais intensos num Metroid Prime (e não aquela proposta maluca de Federation Force), com seu estilo FPS? Ou ver corridas mais insanas entre competidores em F-Zero? Pode ser divagação, mas se até games de dança possuem um cenário competitivo - com todo o clima festivo que possuem -, nada impede um bom mercado neste sentido.

Deixo uma pergunta para vocês: gostariam de ver mais sobre as cenas competitivas dos games da Nintendo por aqui? Digam nos comentários ou em nossas redes sociais, podemos trazer não apenas informações sobre competições, como também informativos interessantes para quem deseja iniciar sua trajetória nesses ramos em crescimento.
Facebook
4
Google
 
Top