A série Star Fox estava esquecida pela Nintendo há alguns anos. Sem nenhum jogo lançado para o Wii, os fãs da série estavam aguardando ansiosamente por um novo título da raposa mais invocada do mundo dos games. Após 10 anos, o retorno dos heróis espaciais ocorreu no ultimo console de mesa da Nintendo, o Wii U. Desenvolvido pela Nintendo e Platinum Games, Star Fox Zero buscou uma forma de utilizar o GamePad para trazer uma boa experiência no gameplay e apresentar de forma convincente o uso das duas telas do console, mas será que valeu a pena? Isso é o que iremos ver nas próximas linhas abaixo.

Um reboot para a série


Particularmente, eu sempre achei a história de Star Fox bem interessante, para quem jogou os episódios anteriores da série, pôde ver o desenvolvimento de cada personagem e a surgimento de novos. Claro que a série deu algumas escorregadas, como por exemplo, Star Fox Adventure que abandonou um pouco o estilo nave para ser mais um jogo de aventura.

Nesse novo episódio, a Nintendo resolveu dar um reboot na série, trazendo a mesma história que ocorreu em Star Fox 64, porém com mais detalhes na história e uma exploração melhor do Sistema Lylat, que ficou maior. O jogador voltará a jogar nos mesmos planetas da versão do N64 e alguns locais que não tinham sido explorados em jogos anteriores, os ambientes estão com cores e detalhes mais vivos. O estilo de jogo ainda é o mesmo, a nave segue em linha reta de forma automática e o jogador só precisa se preocupar em mirar, atirar e desviar. Em determinadas situações haverá desafios que se forem cumpridos poderá mudar o próximo destino, isso faz com que o fator replay aumente, pois vale a pena querer explorar cada lugar em Lylat. O gameplay completo tem em média 20 horas, o que pode ser considerado um bom tempo de jogo, mas se o jogador preferir apenas finalizar o mesmo, ele irá se decepcionar, pois a campanha tem uma média de 5 horas.

Entrando em Corneria, é aqui que a aventura começa

Dublagem e o áudio trazem nostalgia


A trilha sonora de Star Fox é sem dúvida uma das melhores, e isso não é diferente em Zero, em alguns momentos nos deparamos com músicas orquestradas que trazem uma emoção maior durante as fases, vale citar o momento em que a equipe Star Wolf se apresenta e a música tema começa a tocar, com certeza os fãs irão sentir certa nostalgia nesse momento.

A dublagem está muito boa também, as vozes foram mantidas, a comunicação entre a equipe é apresentada na tela do GamePad, ela é bem divertida e consegue trazer mais emoção durante as fases. O diálogo às vezes se torna repetitivo, mas não chega a incomodar, nem mesmo o Slippy conseguiu ser irritante dessa vez.

Um novo veículo e uma nova funcionalidade para Arwing


Durante algumas fases o jogador irá utilizar veículos diferentes, assim como ocorria em Star Fox 64, mas em Zero um novo veículo foi introduzido, o Gyrowing, ele é bem semelhante a um helicóptero e de dentro irá sair um pequeno robô que o jogador irá controlar olhando para a tela do GamePad, ele serve para hackear alguns dispositivos. A ideia de utilizar o GamePad aqui foi boa, algo que lembra muito o jogo The Wonderful 101 quando o jogador entra em um local fechado.
Gyrowing é o novo veículo utilizado em Star Fox Zero

Outra grande novidade foi a possibilidade da Arwing se transformar em um veículo de duas “pernas” chamado Walker, com ele o jogador em determinados momentos irá entrar em bases ou naves apertando apenas um botão para transformação ocorrer. A funcionalidade é legal e consegue levar as batalhas para outros rumos, como por exemplo, você pode derrotar determinados chefes atirando por fora com a Arwing, ou se preferir, entrar dentro deles com Walker e destruí-los por dentro.

Walker é uma versão terrestre da Arwing


Gráficos bonitos, mas não é melhor que o Wii U tem a oferecer


Os gráficos de Star Fox Zero não são ruins, muito pelo contrário, o jogo apresenta cores e ambientes lindos de se ver, ao observar o céu de cada mundo conseguimos ver luas e planetas vizinhos. O jogo peca em algumas texturas, mas não chega a incomodar. O problema aqui é que o Wii U consegue entregar gráficos melhores, acredito que um pouco mais esforço no desenvolvimento, teríamos um jogo com gráficos mais próximos do que vimos em Bayonetta 2, Mario 3D World, Pikimin 3 e outros jogos lançados. O jogo roda muito bem em 720p a 60fps, algo que é aceitável tendo em vista que o console está entregando duas telas ao mesmo tempo e isso exige um processamento maior.

Corneria é o planeta mais bonito do sistema Lylat

Inovou, mas não agradou na jogabilidade


Chegamos ao ponto crucial dessa análise, a jogabilidade. Star Fox Zero tentou fazer uso do GamePad, mas infelizmente não conseguiu agradar nem mesmo aos fãs. Utilizando as alavancas o jogador pode controlar a nave, olhando diretamente para a TV, no controle é apresentada uma visão do Cockpit, e o uso do sensor de movimento seria usado para mirar olhando através da tela. Apesar de parecer simples, jogar Star Fox Zero requer paciência e treino para se adaptar aos controles. No início você irá se frustrar ao tentar olhar para as duas telas ao mesmo tempo e ainda irá bater bastante pelos cenários ou errar alvos importantes. Porém, uma vez que o jogador aprenda a combinar a mira e o controle da nave o jogo se torna mais tranquilo e divertido. O grande problema aqui é que não existe outra opção de controle, uma mais tradicional no estilo N64.

A jogabilidade é mais difícil do que parece

Ausência de Multiplayer


O jogo tem a campanha principal, o modo treino e o arcade, esse ultimo trata de finalizar o jogo de uma vez, sendo que se der game over o jogador terá que iniciar tudo novamente. Infelizmente Star Fox Zero não possui um modo multiplayer, seja ele online ou não. Para o um modo offline é aceitável não ter devido a jogabilidade ser dependente do GamePad, pois o Wii U só aceita apenas um conectado no console. Mas não há justificativa para não ter um modo online.

Amiibos para que te quero?


O jogo é compatível com os Amiibos do Fox e Falcon, caso utilize o primeiro será desbloqueado a Arwing do jogo Star Fox do SNES, para o segundo a Black Arwing será desbloqueada, sendo ela com mais poder de fogo, mas com uma defesa menor, algo que pode desafiar os mais hardcore. Mas não fique triste se você não tiver os Amiibos, pois caso você faça 100% do jogo (buscar as medalhas e passar por todas as fases) as duas naves serão desbloqueadas.
Black Arwing é só para os fortes

Conclusão


Star Fox Zero tentou voltar as origens depois de ter se perdido nos jogos lançados para Game Cube e DS, mas infelizmente falhou ao querer utilizar recursos do GamePad e acabou entregando uma jogabilidade confusa e inicialmente irritante. A falta de um multiplayer online diminuiu o tempo de vida do jogo, sendo que, uma vez que o jogador tenha feito 100% do jogo, o mesmo ficará guardado na gaveta por um bom tempo. Mas se você for um fã da série, se esforce um pouco para aprender o esquema de controle e volte mais uma vez ao Sistema Lylat.

- Jogabilidade: 5
- Gráfico: 8
- Som: 8
- Diversão: 7

Nota final: 7,0

Gostamos:
- Dublagem com as vozes mantidas dos jogos anteriores
- Sistema Lylat ficou maior e mais detalhado
- Há muito a ser explorado
- Diversos veículos que mudam a forma de jogar

Não Gostamos:
- Jogabilidade complexa
- Ausência de multiplayer
Facebook
0
Google
 
Top