Ken Levine, gigante da indústria e criador da série BioShock, demonstrou enorme carinho pela Nintendo e, especialmente, The Legend Of Zelda: Breath of the Wild. Em entrevista à Polygon, Levine exalta a coragem da Big N com o mais novo e super premiado game da franquia Zelda, e o descreve como "uma conexão com nosso passado, mas não uma repetição dele".

Enquanto a configuração mundial e o estilo de arte se deslocaram no passado (mais notavelmente no movimento bem sucedido de Ocarina of Time para o 3D), a natureza fundamental do fluxo do jogo em Zelda permaneceu inalterada por mais de 30 anos. A configuração narrativa (muitas vezes longa), o mundo separado, subterrâneo, um conjunto crescente de ferramentas obtidas ao completar dungeons em uma ordem específica: você vê estes mesmos elementos em A Link to the Past, Minish Cap ou Wind Waker, embora todos pareçam e sintam que não são semelhantes.

E então você liga Breath of the Wild. Comparado a outros games da série, este lança você na versão de Hyrule na atual geração de consoles sem uma longa sequência narrativa. Ele abre o mundo para você generosamente, ao invés de distribuí-lo em grandes pedaços. Você não pode conquistar a dungeon de lava até ter comido a dungeon de gelo! As armas não são mais artefatos raros, imutáveis o tempo todo. Elas quebram como a antiga caixa de câmbio de um Honda Civic 94.

Levine acredita que as raízes clássicas serão esquecidas após Breath of the Wild e suas mudanças, mas acredita que retornar ao passado pode ser perigoso:

Nunca tive a sorte de conhecer Shigeru Miyamoto, Takashi Tezuka, Koji Kondo ou qualquer um dos outros colegas de design de Zelda. Mas imagino que, ao fazer este jogo, eles (e Eiji Aonuma) não só deram as chaves para a caixa de brinquedos a um grupo de desenvolvedores incrivelmente talentosos que criaram há 30 anos, mas também os encorajaram a quebrarem alguns desses brinquedos.

Agora, imagine assistir Zelda crescer e evoluir para se tornar a mais querida franquia de jogos de todos os tempos. E então, imagine quando alguém diz: "Ei, vamos tacar fogo em pedaços enormes desse venerado design de 30 anos atrás!"

O desejo de retornar aos antigos êxitos é poderoso. Mas as coisas que fazemos podem se tornar os túmulos em que nos enterramos. 

O criador de BioShock termina demonstrando sua felicidade com o risco que a Nintendo tomou ao reformular a franquia Zelda e faz elogios à qualidade do game:


Me sinto obrigado a aplaudir as pessoas da equipe de Breath of the Wild, não apenas por sua visão, mas a coragem que eles tiveram ao mexer com uma fórmula tão consagrada. É fácil mudar para o bem da mudança. Mas é realmente difícil fazer isso direito.

A vitória de Breath of the Wild é multifacetada. Você pode vê-la  nas nuances da direção de arte. Você pode ouvi-la no design de som meticuloso. Você pode sentir isso em seus sistemas aperfeiçoados. Mas o que o torna uma obra-prima é que ele é uma conexão com nosso passado, mas não uma repetição dele.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild foi lançado exclusivamente para o Nintendo Switch no dia 3 de Março de 2017 e venceu o prêmio de Jogo do Ano do The Game Awards 2017.

Fonte
Facebook
5
Google
 
Top